Imprensa

Press

« Voltar « Back

CVM exige que Empiricus preste informações para apuração de irregularidades

Por: Capital AbertoImprimirVisualizar em PDF

Por ocasião da análise de um processo1 envolvendo a Empiricus, o colegiado da CVM se posicionou recentemente a respeito dos limites da competência da autarquia na supervisão e na fiscalização do mercado de capitais. O caso envolve uma decisão da Superintendência de Relações com Investidores Institucionais (SIN) — contra a qual a Empiricus interpôs recurso ao colegiado — que determinou que a empresa fornecesse à CVM, sob pena de multa, acesso a todo o conteúdo disponibilizado em seu site no período de um ano,

O fundamento da decisão da área técnica foi o art. 9º da Lei 6.385/76 (nas alíneas "f" e "g" do inciso I), segundo o qual a CVM tem jurisdição, em todo território nacional e no exercício de sua competência legal, para examinar registros contábeis, livros ou documentos de consultores e analistas de valores mobiliários, bem como de quaisquer pessoas (naturais ou jurídicas) que possam estar envolvidas em supostas irregularidades no âmbito do mercado de valores mobiliários brasileiro.

O colegiado entendeu que a alínea "g" do inciso I do art. 9º (que trata dos poderes de fiscalização da CVM sobre agentes não regulados) é suficiente para fundamentar a solicitação de informações por parte da SIN. Assim, não seria necessário discutir se a Empiricus atua indevidamente ou não como analista de valores mobiliários — questão que deve ser enfrentada em outros processos administrativos e/ou judiciais nos quais a empresa figure como parte. Ainda que a Empiricus não exerça atividade típica das chamadas "casas de análise", a competência legal conferida à CVM para investigação e apuração de irregularidades abrange os agentes não regulados, desde que haja indícios de que sua atuação possa estar em desacordo com a legislação do mercado de capitais.

A CVM recebeu denúncia contra a Empiricus da Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec), entidade autorreguladora, e também reclamações de investidores, sob o argumento de que o material distribuído pela empresa a seus clientes deveria ser caracterizado como "relatório de análise", nos termos da Instrução 598/18. Dessa maneira, a Empiricus estaria obrigada a se registrar como analista de valores mobiliários para poder operar. As queixas relatam, por exemplo, declarações do CEO da Empiricus dizendo que se responsabilizaria pessoalmente caso a estratégia de dobrar a renda do investidor não desse certo. Na visão da CVM, a existência desses processos por si só já legitima a requisição de informações.

A Empiricus se baseou em dois argumentos principais para recorrer da decisão da SIN: o de que não exerce atividade regulada e não integra o mercado de distribuição de valores mobiliários, sendo a atividade de disponibilização de publicações aos clientes de natureza puramente editorial e jornalística; segundo, que qualquer controle imposto pela CVM a suas atividades seria uma afronta ao princípio constitucional da liberdade de imprensa e de expressão — censura, portanto. Em relação à primeira alegação, o colegiado entendeu que o fato de a empresa prestar ou não atividade de analista de valores mobiliários é indiferente na análise do processo em questão; esse ponto deve ser enfrentado no futuro pela CVM e, se for o caso, pelo Judiciário.

Quanto à possibilidade de ofensa ao princípio da liberdade de imprensa e de expressão, o colegiado considerou o argumento improcedente, à medida que o requerimento de informações feito pela SIN não teve por objetivo primordial controlar ou restringir qualquer conteúdo divulgado pela Empiricus — pretendeu, sim, oferecer elementos para que o regulador avalie, no momento apropriado, se o conteúdo das publicações está de acordo com a legislação vigente aplicável ao mercado de capitais.

Em seu voto, o diretor relator Carlos Rebello enfatizou que um dos aspectos essenciais a ser objeto de apuração pela CVM em relação às publicações sobre investimentos é a moderação na linguagem — afinal, é função do regulador resguardar os interesses do investidor em relação aos riscos de erro de eventuais estratégias de investimento derivadas dessas publicações, de modo que as informações devem ser verdadeiras, claras e completas.

Interessante notar que Rebello, mesmo reconhecendo expressamente que não cabe à CVM neste processo avaliar se a Empiricus presta atividade regulada de análise de valores mobiliários, adentra nessa discussão de maneira teórica, com o propósito de ressaltar a cautela com a qual tal o tema deve ser tratado. Nesse sentido, o diretor menciona precedente da Suprema Corte americana que discutiu o tratamento regulatório dado nos Estados Unidos às chamadas "investment newsletters"2. A Suprema Corte firmou entendimento contrário ao da SEC (reguladora do mercado americano), afirmando que um editor de boletins de investimento não estaria sujeito à regulação própria dos investment advisers (categoria na qual se inclui a função de analista existente no ordenamento brasileiro) quando estivesse oferecendo publicações desinteressadas, de boa-fé e sem o propósito de aconselhamento individual.

Os demais membros do colegiado enfatizaram que o objeto do recurso em questão seria unicamente discutir os limites do poder requisitório da CVM, nos termos do art. 9º da Lei 6.385/76; assim, não antecipariam a discussão de mérito a ser enfrentada em momento posterior. Nessa linha, o colegiado entendeu, por unanimidade, que o requerimento da SIN está devidamente motivado e respaldado pela necessidade de esclarecimento em relação aos processos administrativos existentes contra a Empiricus, razão pela qual o recurso impetrado pela empresa contra o requerimento de informações não deveria prosperar.

________________ 

Processo Administrativo CVM SEI nº 19957.009590/2018-01, julgado em 2/4/19

2 Caso Lowe v. SEC, julgado em 1985

________________

*Por Leonardo Baptista Rodrigues Cruz (lcruz@pn.com.br), Thiago José da Silva (tjsilva@pn.com.br) e Augusto Coutinho Filho (acoutinho@pn.com.br), respectivamente sócio e associados sênior e pleno do escritório

Compartilhar:
Faça parte do nosso mailing Join our mailing Receba em primeira mão publicações
e comunicados do escritório
Get firsthand publications
and communications office

São PauloRua Hungria, 1100. 
01455-906
Tel: +55 (11) 3247-8400
Fax: +55 (11) 3247-8600ver mapasee map

Rio de JaneiroRua Humaitá, 275 - 16º andar. 
22261-005
Tel: +55 (21) 2506-1600
Fax: +55 (21) 2506-1660ver mapasee map

BrasíliaSAFS, Qd. 2, Bloco B
Ed. Via Office 3º andar.
70070-600
Tel: +55 (61) 3312-9400
Fax: +55 (61) 3312-9444ver mapasee map

Palo Alto228 Hamilton Avenue, 3rd floor
CA 94301 USA
Tel: +1 650-798-5068ver mapasee map

Termos de Uso
Política de Privacidade