Imprensa

Press

« Voltar « Back

Risco e demanda em alta encarecem linhas de crédito

Por: Valor EconômicoImprimirVisualizar em PDF

Uma grande empresa de alimentos de capital aberto, com parte da receita atrelada a exportações, viu o prazo de suas linhas habituais de crédito encolher, enquanto as taxas de juros subiram nas últimas semanas. O custo de uma operação feita com quatro bancos nacionais e estrangeiros subiu de CDI mais 1,3% ao ano para CDI mais 4% ao ano, com vencimento em 12 meses.

A Hollytec Metais, fornecedora de vergalhões de cobre e fios de cobre e de alumínio esmaltado, também viu o custo de suas operações financeiras dar um salto com a crise do coronavírus. Com sede em Guarulhos (SP), a empresa costumava descontar seus recebíveis em fundos de direitos creditórios (FIDCs) com taxas de 1,1% a 1,6%, mas agora o patamar subiu para 2% a 2,5%. Além do custo maior, houve uma onda de prorrogações dos vencimentos dos títulos, sobre as quais também incide uma taxa, afirma Hollywood Silvestre Filho, conselheiro da Hollytec.

Companhias de diversos segmentos e tamanhos vêm enfrentando mais dificuldade para tomar crédito desde que a crise do coronavírus desembarcou no Brasil. A oferta de recursos diminuiu e, dependendo do setor, os juros subiram dentro e fora do sistema bancário, segundo relatos de executivos de empresas feitos ao Valor sob a condição de anonimato.

A situação é mais delicada nos setores mais afetados pela paralisação das atividades, como varejo, serviços e companhias aéreas. O movimento reflete uma disparada dos riscos para os bancos e investidores do mercado de capitais, além de uma alta nos custos de funding e de capital.

Embora o Banco Central (BC) tenha atuado para dar mais liquidez ao sistema, os credores se mantiveram muito retraídos porque nenhuma das medidas atacava a questão do risco de crédito. "Você emprestaria hoje seu dinheiro para algum desses setores?", questiona uma fonte próxima aos bancos. "Junto com um aumento do desemprego e queda na renda deve vir um aumento da inadimplência de forma geral."

Esse fator só começou a ser abordado no fim da semana passada, quando o governo e bancos fecharam acordo para criação de uma linha de crédito à folha de pagamento de pequenas e médias empresas. Pelo desenho, o Tesouro Nacional absorverá 85% da inadimplência. A expectativa de fontes ligadas a instituições financeiras é que, com isso, se crie um ambiente mais seguro para a concessão de recursos.

Em mercados como Estados Unidos e Europa, o mercado de crédito também travou com os receios atrelados ao coronavírus, e só melhorou quando Estado e bancos centrais entraram no risco. Só que lá a resposta do governo foi mais rápida.

Além do aumento do risco, outros fatores contribuíram para pressionar as taxas. Um deles foi o aumento na demanda das grandes companhias por crédito. Essas empresas vinham se financiando no mercado de capitais, que fechou diante da crise. Com isso, muitas passaram a procurar os bancos em busca de linhas para reforçar o caixa. Essa corrida pressionou a liquidez das carteiras voltadas ao segmento de grandes corporações, levando a uma elevação de preços.

Numa grande instituição financeira, a produção de crédito do "large corporate", segmento que abriga os maiores clientes, está quatro vezes maior do que um mês atrás. Além disso, uma das referências de preço é o mercado secundário de renda fixa, onde as taxas subiram de CDI mais 1% para CDI mais 3% ou 4%.

Outro fator que tem pesado no crédito é que o custo de funding aumentou. Se antes da crise um banco pequeno conseguia captar numa faixa de 100% a 120% do CDI, agora há casos em que os recursos não saem por menos de 150%. Nas últimas semanas, os futuros de DI também subiram, e eles são uma referência mais importante para o preço do crédito que a taxa Selic. Em consequência, a cautela aumenta, sobretudo nas instituições de menor porte.

"O aumento da demanda das empresas por crédito cresceu muito acima do normal. Todas estão querendo mais liquidez para atravessar este momento", afirma José Ramos Rocha, diretor-executivo do Bradesco.

Para ler a matéria na íntegra, clique aqui.

Compartilhar:
Faça parte do nosso mailing Join our mailing Receba em primeira mão publicações
e comunicados do escritório
Get firsthand publications
and communications office

São PauloRua Hungria, 1100
01455-906
Tel: +55 (11) 3247-8400
Fax: +55 (11) 3247-8600ver mapasee map

Rio de JaneiroRua Humaitá, 275 - 16º andar
22261-005
Tel: +55 (21) 2506-1600
Fax: +55 (21) 2506-1660ver mapasee map

BrasíliaSAFS, Qd. 2, Bloco B
Ed. Via Office - 3º andar
70070-600
Tel: +55 (61) 3312-9400
Fax: +55 (61) 3312-9444ver mapasee map

Palo Alto228 Hamilton Avenue - 3rd floor
CA 94301 USA
Tel: +1 650-798-5068ver mapasee map

Tóquio1-6-2 Marunouchi
Chiyoda-ku - 21st floor
100-0005
Tokyo – Japan
tel: +81 (3) 3216 7191ver mapasee map

Termos de Uso
Política de Privacidade