Imprensa

Press

« Voltar « Back

STF julga cálculo do PIS para instituições financeiras

Por: JOTAImprimirVisualizar em PDF

​No julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 578.846, iniciado e suspenso no dia 24.05.2017, sete ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) se posicionaram favoravelmente à União (Fazenda Nacional) ao entender que a contribuição ao PIS, devida pelas instituições financeiras e equiparadas no período de janeiro de 1994 a dezembro de 1999, deveria ser calculada sobre a totalidade das receitas auferidas.

No julgamento, suspenso por pedido de vista do Ministro Marco Aurélio, ainda não se manifestaram a Ministra Cármen Lúcia e o Ministro Celso de Mello. As manifestações até então contrárias aos contribuintes foram dos Ministros Dias Toffoli (relator), Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

A discussão é antiga e está sendo tratada como sendo de repercussão geral. Assim, a conclusão desse julgamento repercutirá sobre todas as discussões administrativas e judicias que ainda hoje estão sobrestadas, no aguardo de uma definição do STF.

Os recursos arrecadados das instituições financeiras e equiparadas a título de PIS, no período de janeiro de 1994 a dezembro de 1999, foram destinados do Fundo Social de Emergência, instituído pelos artigo 71 e 72 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal (ADCT).

O artigo 72 do ADCT definiu de forma expressa que a base de cálculo desse PIS seria a "receita bruta operacional, como definida na legislação do imposto sobre renda e proventos de qualquer natureza".

A definição do que é a receita bruta estava na legislação do Imposto de Renda desde 1964, no artigo 44 da Lei nº 4.506 que ainda dispõe ser essa "o produto da venda dos bens e serviços nas transações ou operações de conta própria."

Esse conceito muito bem delimitado foi reiterado e ratificado pela própria legislação do Imposto de Renda, no artigo 12 do Decreto-lei nº 1.598/77, até ser alterado pela Lei nº 12.973/2014, que entrou em vigor dia 1º.01.2015.

Assim, foi somente em 1º.01.2015 que a legislação do Imposto de Renda foi alterada para que no conceito de receita bruta fossem inseridas também as receitas que, nela inicialmente não contempladas, fossem auferidas com o exercício regular de atividades previstas no objeto social das pessoas jurídicas.

Em razão disso não há dúvidas de que, no período compreendido entre janeiro de 1994 e dezembro de 1999, não poderia o PIS ser exigido das instituições financeiras e equiparadas sobre a totalidade de receitas auferidas como quer a União (Fazenda Nacional) e pode vir a ser reconhecido pelo Plenário do STF.

Ainda que o resultado preliminar no julgamento seja hoje desfavorável aos contribuintes, o pedido de vista do Ministro Marco Aurélio colocará o processo novamente em pauta para julgamento e poderá ensejar um novo debate entre os Ministros, eventualmente até com revisão de posicionamentos já manifestados, privilegiando as regras vigentes na legislação do Imposto de renda até 1º.01.2015 e, assim, o próprio texto constitucional.

___________

Rodrigo de Sá Giarola - Advogado em Pinheiro Neto Advogados, especialista em Direito Tributário, com MBA em Finanças e é mestrando em Direito Tributário na Escola de Direito de São Paulo, da Fundação Getúlio Vargas.

Tags
Compartilhar:
Faça parte do nosso mailing Join our mailing Receba em primeira mão publicações
e comunicados do escritório
Get firsthand publications
and communications office

São PauloRua Hungria, 1100. 
01455-906
Tel: +55 (11) 3247-8400
Fax: +55 (11) 3247-8600ver mapasee map

Rio de JaneiroRua Humaitá, 275 - 16º andar. 
22261-005
Tel: +55 (21) 2506-1600
Fax: +55 (21) 2506-1660ver mapasee map

BrasíliaSAFS, Qd. 2, Bloco B
Ed. Via Office 3º andar.
70070-600
Tel: +55 (61) 3312-9400
Fax: +55 (61) 3312-9444ver mapasee map

Palo Alto228 Hamilton Avenue, 3rd floor
CA 94301 USA
Tel: +1 650-798-5068ver mapasee map

Termos de Uso
Política de Privacidade