Imprensa

Press

« Voltar « Back

Assembleia da Oi é suspensa após pedido de Banco do Brasil e Caixa

Por: O GloboImprimirVisualizar em PDF

​Após um pedido do Banco do Brasil (BB) e da Caixa Econômica Federal, a assembleia geral dos credores da Oi foi suspensa por um período de três horas para que o plano de recuperação judicial da Oi, publicado hoje pela Justiça, seja melhor analisado. As instituições financeiras querem fazer ajustes na proposta. O pedido foi reiterado pelo representante do principal grupo de bondholders, liderado pela Moelis.

A mesa da assembleia atendeu à solicitação, mas por um período menor. Arnoldo Wald Filho, presidente da mesa, disse que "concede apenas duas horas e meia para aprovar o plano ainda hoje". Segundo Júlio Bertoni, representante do BB, o plano precisa de mudanças.

— Temos compromisso em apoiar um plano viável. É um plano complexo. Não é trivial. Estávamos com todos os esforços nessa madrugada para compreender o plano. E não conseguimos exaurir todos os pontos. Pedimos mudanças em alguns aspectos do plano a exemplo do BNDES e alguns outros credores. Gostaria de propor à Oi e à presidente da mesa da Assembleia uma suspensão dos trabalhos por três horas em nome do Banco do Brasil para analisar as modificações do plano e ter uma análise mais segura — disse Júlio Bertoni, representante do BB.

Uma das dificuldades do plano é um verdadeiro empurra-empurra dentro do próprio governo. Na manhã desta terça-feira, a Advocacia-Geral da União (AGU) jogou para a Agência Nacional de Telecomunições (Anatel) a responsabilidade de votar a favor ou contra o plano de recuperação judicial da tele, com dívidas totais de R$ 64 bilhões e mais de 55 mil credores.

 

'ANÁLISES AINDA NÃO ESGOTADAS'

Armando Borges, representante da Caixa, disse que o banco não conseguiu entender todos os pontos.

— Há um esforço dos bancos públicos para viabilizar o plano. Esse é um sentimento comum até pela importância social da Oi. Até agora não esgotamos todas as análises. A Caixa já enviou suas propostas para a Oi. Vamos precisar de mais tempo para se chegar a um denominador comum. Pedimos a suspensão por um período de três horas — afirmou Bertoni.

Além de BB e Caixa, o principal grupo de bondholders, liderado pela Moelis, também pediu ajustes no plano e um adiamento da assembleia por três horas. Segundo Giuliano Colombo, advogado do Pinheiro Neto e responsável por esse grupo de bondholders, pediu ajustes "mecânicos" no plano, como o prazo para a venda de ativos, regras mais claras para a governança corporativa durante o período de transição e um calendário mais claro sobre as etapas da capitalização.

É preciso aumentar a segurança jurídica. Queremos ajustes mecânicos. O plano trata da venda de ativos, mas temos que saber o tempo em que isso vai ocorrer. É preciso mais esclarecimento sobre sobre a conversão dos bonds em ações. A governança corporativa é um ponto sensível. Houve disputas em torno disso e é essencial regramento claro e forte no plano para saber como será isso até o aumento de capital. Essas regras precisam ficar estabelecidas agora - listou Colombo.

Outro credor, o China Development Bank também pediu ajustes no plano.

Compartilhar:
Faça parte do nosso mailing Join our mailing Receba em primeira mão publicações
e comunicados do escritório
Get firsthand publications
and communications office

São PauloRua Hungria, 1100
01455-906
Tel: +55 (11) 3247-8400
Fax: +55 (11) 3247-8600ver mapasee map

Rio de JaneiroRua Humaitá, 275 - 16º andar
22261-005
Tel: +55 (21) 2506-1600
Fax: +55 (21) 2506-1660ver mapasee map

BrasíliaSAFS, Qd. 2, Bloco B
Ed. Via Office - 3º andar
70070-600
Tel: +55 (61) 3312-9400
Fax: +55 (61) 3312-9444ver mapasee map

Palo Alto228 Hamilton Avenue - 3rd floor
CA 94301 USA
Tel: +1 650-798-5068ver mapasee map

Tóquio1-6-2 Marunouchi
Chiyoda-ku - 21st floor
100-0005
Tokyo – Japan
tel: +81 (3) 3216 7191ver mapasee map

Termos de Uso
Política de Privacidade