Publicações

Publications

« Voltar « Back
Artigo06.01.2015

Receita esclarece contagem de prazos para a compensação de créditos fiscais

Por:

Sérgio Farina Filho; Renato Henrique Caumo

Anexo Biblioteca Informa nº 2.337

ImprimirVisualizar em PDF

1. Em 22.12.2014 a Secretaria da Receita Federal do Brasil ("RFB") fez publicar o Parecer Normativo Cosit nº 11 ("PN nº 11/14") que esclarece o entendimento da RFB acerca da existência de prazo prescricional de cinco anos para a compensação de crédito tributário decorrente de decisão judicial transitada em julgado, bem como sobre a contagem do referido prazo e sobre a sua suspensão quando da apresentação de pedido de habilitação prévia, na forma do artigo 82[1] da Instrução Normativa RFB nº 1.300, de 20.11.2012 ("IN RFB nº 1.300/12").

 

2. Em regra, os créditos tributários reconhecidos por decisão judicial transitada em julgado podem ser liquidados tanto no âmbito da própria ação judicial, por meio da sistemática dos precatórios judiciais, quanto, se assim desejar o contribuinte, por meio de compensação com determinados débitos tributários próprios administrados pela RFB, a ser processada apenas na via administrativa, em grande medida como se fosse uma compensação normal de créditos tributários. 

3. Nessa última hipótese, portanto, o contribuinte deverá observar as regras próprias para a compensação administrativa previstas principalmente no artigo 74 da Lei nº 9.430, de 27.12.1996 ("Lei nº 9.430/96"), e na IN RFB nº 1.300/12, dentre as quais se inclui a exigência de habilitação prévia do crédito fiscal decorrente de decisão judicial transitada em julgado que se pretende compensar, na forma do artigo 82 do referido normativo. 

4. Ocorre, contudo, que nem a Lei nº 9.430/96 nem a IN RFB nº 1.300/12 esclarecem se a compensação dos referidos créditos tributários reconhecidos por decisões judiciais estaria sujeita a algum prazo prescricional específico. Nesse sentido, conforme explicitado no PN nº 11/14, a RFB por vezes tem defendido a aplicação (por analogia) do Decreto nº 20.910, de 6.1.1932 ("Decreto nº 20.910/32"), que prevê um prazo prescricional "geral" de cinco anos para quaisquer demandas contra a Fazenda Pública – o que, isoladamente, já seria algo questionável por uma série de motivos[2]. 

5. Não obstante, assumindo, por hipótese, que a posição da RFB acerca da aplicação do prazo prescricional de cinco anos previsto no Decreto nº 20.910/32 venha a prevalecer, restava a dúvida quanto ao marco inicial de sua contagem, e, em especial, se o procedimento de habilitação prévia (realizado exclusivamente pela RFB após a solicitação formal pelo contribuinte, e com relação ao qual este nada pode fazer senão, em situações extremas, recorrer ao Poder Judiciário em busca de uma decisão que obrigue a RFB a se manifestar dentro de um prazo razoável) deveria, de alguma maneira, impactar ou influir na referida contagem. 

6. Nesse sentido, o PN nº 11/14 é expresso ao considerar, com fundamento no artigo 4º do Decreto nº 20.910/32, que "o período entre o pedido de habilitação e a ciência do seu deferimento definitivo no âmbito administrativo (o que inclui a habilitação do crédito após provimento de recurso) suspende[3] o prazo prescricional" para apresentar a declaração de compensação administrativa com relação a créditos tributários reconhecidos por decisão judicial transitada em julgado. 

7. O PN nº 11/14 também deixa consignado o entendimento da RFB com relação à contagem do prazo prescricional de cinco anos naqueles casos em que o contribuinte não for capaz de liquidar a totalidade do crédito reconhecido por decisão judicial transitada em julgado por meio de uma única compensação. 

8. Nesses casos, o PN nº 11/14 considera que "o prazo prescricional para apresentar a [declaração de compensação] apenas é interrompido[4] com a efetiva apresentação da [declaração de compensação] que extingue aquele valor. Por exemplo, se o sujeito passivo tiver de proceder a cinco compensações para ter o seu crédito com o Fisco quitado, o prazo da primeira [declaração de compensação] apenas é interrompido no valor nela declarado. Para o restante do seu crédito, o sujeito passivo continua tendo o prazo prescricional correndo contra si". 

9. Por esse motivo, o PN nº 11/14 recomenda que o contribuinte, "ao realizar a opção de compensar os seus créditos tributários decorrentes de ação judicial transitada em julgado, deve realizar um adequado planejamento para verificar se vai ter débito suficiente em tempo hábil para não ter parte do seu direito creditório fulminado pela prescrição". 

10. Todo o mais considerado, os contribuintes devem ficar atentos às disposições constantes do PN nº 11/14, pois, em regra, tal orientação deve ser aplicada pelos auditores fiscais da RFB a todos os processos administrativos em curso.

___________________________________________________________

[1]    "Art.  82.  Na hipótese de crédito decorrente de decisão judicial transitada em julgado, a Declaração de Compensação será recepcionada pela RFB somente depois de prévia habilitação do crédito pela DRF, Derat, Demac/RJ ou Deinf com jurisdição sobre o domicílio tributário do sujeito passivo.  (…)".

[2]    Dentre os quais, justamente, a imposição de um prazo legal de prescrição "por analogia".

[3]    O prazo suspenso volta a ser contado, pelo restante do prazo original, quando finda a causa de suspensão.

[4]    Diferentemente da suspensão, a interrupção faz o prazo ser reiniciado pelo todo, isto é, finda a causa da interrupção, o prazo será então contado novamente pelo todo.  Nesse sentido, não se deve perder de vista que a falta de manifestação da RFB com relação à declaração de compensação apresentada por um contribuinte, no prazo de cinco anos, implica a sua homologação tácita, na forma do §5º do artigo 74 da Lei nº 9.430/96.

Tags
Compartilhar:
Faça parte do nosso mailing Join our mailing list Receba em primeira mão publicações
e comunicados do escritório
Keep current with our
latest news and events

São PauloRua Hungria, 1100. 
01455-906
Tel: +55 (11) 3247-8400
Fax: +55 (11) 3247-8600ver mapasee map

Rio de JaneiroRua Humaitá, 275 - 16º andar. 
22261-005
Tel: +55 (21) 2506-1600
Fax: +55 (21) 2506-1660ver mapasee map

BrasíliaSAFS, Qd. 2, Bloco B
Ed. Via Office 3º andar.
70070-600
Tel: +55 (61) 3312-9400
Fax: +55 (61) 3312-9444ver mapasee map

Palo Alto228 Hamilton Avenue, 3rd floor
CA 94301 USA
Tel: +1 650-798-5068ver mapasee map

Termos de Uso
Política de Privacidade