Publicações

Publications

« Voltar « Back
Artigo17.01.2017

Garantia ao consumidor de padrões adequados de acessibilidade nos produtos e serviços – Decreto nº 8.953/2017

Por:

Sérgio Pinheiro Marçal; André Luiz Marcassa Filho

Anexo ao BI nº 2.438

ImprimirVisualizar em PDF

Em 11.1.2017 foi publicado o Decreto Federal nº 8.953/2017, que alterou o inciso IV do artigo 2º do Decreto Federal nº 7.963/2013, para estabelecer como uma das "diretrizes do Plano Nacional de Consumo e Cidadania" a garantia ao consumidor de padrões adequados de acessibilidade nos produtos e serviços colocados pelos fornecedores no mercado de consumo. 

Além disso, o referido Decreto Federal nº 8.953/2017 acrescentou o § único ao artigo 2º do Decreto Federal nº 7.963/2013 para definir o conceito de acessibilidade como "a possibilidade e a condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, de espaços, mobiliários, equipamentos urbanos, edificações, transportes, informação e comunicação, inclusive seus sistemas e suas tecnologias, e de outros serviços e instalações abertos ao público, de uso público ou privados de uso coletivo, tanto na zona urbana como na rural, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida". 

Primeiramente, vale frisar que o Decreto Federal nº 7.963/2013, em sua redação original, ao instituir o Plano Nacional de Consumo e Cidadania, buscando criar uma nova estrutura estatal para garantir a efetividade das normas de proteção ao consumidor, não representou grande inovação do ponto de vista do conteúdo normativo, podendo ser considerado um instrumento jurídico pleonástico em relação ao Código de Defesa do Consumidor ("CDC")[1].

Ressalta-se que o próprio artigo 2º, inciso IV do Decreto Federal nº 7.963/2013, em sua redação original[2], era praticamente idêntico ao artigo 4º, inciso II, alínea "d" do CDC[3]

Mas, ao acrescentar a garantia ao consumidor de padrões adequados de acessibilidade em produtos e serviços, o Decreto Federal nº 8.953/2017 inova e possibilita às autoridades de defesa do consumidor brasileiras, em tese, analisar as condições de acessibilidade dos produtos e os serviços disponibilizados no mercado de consumo pelos fornecedores e eventualmente aplicar as sanções administrativas previstas no artigo 56 do CDC, que vão desde multa até o fechamento do estabelecimento. 

O artigo 57, caput e parágrafo único, do CDC estabelece como critério para a fixação da multa administrativa o piso de 200 UFIR's e o teto de 3.000.000 UFIR's, podendo, atualmente, ser fixada entre R$ 608,24 a R$ 9.123.605,57.

 

Nesse sentido, é importante destacar que o artigo 5º do Decreto nº 2.181/97 prevê a competência concorrente do DPDC e dos PROCONs Estaduais e Municipais para fiscalizar as relações de consumo e impor sanções administrativas. 

Na esfera civil, o Ministério Público ou qualquer associação de defesa dos consumidores poderá ajuizar ação coletiva para a reparação dos eventuais danos sofridos pela coletividade em decorrência da nocividade ou periculosidade do produto ou serviço que, disponibilizado aos consumidores. não garanta os padrões adequados de acessibilidade. 

Vale destacar que promotorias especializadas de diversos Ministérios Públicos Estaduais já vêm mostrando intensa atuação na fiscalização de práticas que atentam contra as garantias de acessibilidade para pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, com base nas disposições da Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015, também conhecida como Estatuto da Pessoa com Deficiência. 

Certamente, com a edição do Decreto Federal nº 8.953/2017, as empresas deverão estar mais atentas para esse eventual aumento de atuação das autoridades de defesa do consumidor brasileiras no sentido de fiscalizar eventuais violações dos padrões de acessibilidade dos produtos e serviços colocados no mercado de consumo. 

Acesse​ à íntegra do Decreto Federal nº 8.953/2017

___________________________________________________________________________________________

[1] GIANCOLI, Brunno Pandori, "A defesa do consumidor brasileiro e a criação do Plano Nacional de Consumo e Cidadania", Migalhas veiculado em 25.4.2013. Site: http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI177011,101048-A+defesa+do+consumidor+brasileiro+e+a+criacao+do+Plano+Nacional+de

[2] Art. 2o São diretrizes do Plano Nacional de Consumo e Cidadania: (...) IV - garantia de produtos e serviços com padrões adequados de qualidade, segurança, durabilidade e desempenho. (redação original)

[3] Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia das relações de consumo, atendidos os seguintes princípios: (...) II - ação governamental no sentido de proteger efetivamente o consumidor: (...) d) pela garantia dos produtos e serviços com padrões adequados de qualidade, segurança, durabilidade e desempenho.

Compartilhar:
Faça parte do nosso mailing Join our mailing list Receba em primeira mão publicações
e comunicados do escritório
Keep current with our
latest news and events

São PauloRua Hungria, 1100. 
01455-906
Tel: +55 (11) 3247-8400
Fax: +55 (11) 3247-8600ver mapasee map

Rio de JaneiroRua Humaitá, 275 - 16º andar. 
22261-005
Tel: +55 (21) 2506-1600
Fax: +55 (21) 2506-1660ver mapasee map

BrasíliaSAFS, Qd. 2, Bloco B
Ed. Via Office 3º andar.
70070-600
Tel: +55 (61) 3312-9400
Fax: +55 (61) 3312-9444ver mapasee map

Palo Alto228 Hamilton Avenue, 3rd floor
CA 94301 USA
Tel: +1 650-798-5068ver mapasee map

Termos de Uso
Política de Privacidade