Publicações

Publications

« Voltar « Back
Artigo23.05.2017

IN 1/2017 do Ministério da Cultura e seus reflexos nos projetos incentivados pela Lei Rouanet

Por:

José Mauro Decoussau Machado; Lisa Worcman; Gustavo Gonçalves Ferrer

ImprimirVisualizar em PDF

Em meio a notícias de abusos relacionados à Lei Rouanet, o Ministério da Cultura (MinC) editou a Instrução Normativa nº 1, de 20 de março de 2017 (IN 1/2017).
 
A IN 1/2017 tem como objetivos centrai​s (i) esclarecer pontos que ainda caracterizavam zonas cinzentas no dia-a-dia dos projetos culturais, (ii) estabelecer limites de valores e números de projetos e (iii) conceder ao MinC mais eficiência na fiscalização do andamento dos projetos, sobretudo dos gastos de recursos investidos.
 
Para os incentivadores de projetos culturais, a mais relevante novidade trazida pela IN 1/2017 foi, finalmente, a exemplificação de algumas situações enquadradas como “vantagens financeiras ou materiais” vedadas desde a edição da Lei Rouanet. A Lei Rouanet proíbe o recebimento, pelo incentivador, de “vantagem financeira ou material”, mas até então não havia qualquer definição normativa de tal conceito. Para que se soubesse o que poderia ou não ser objeto de contrapartida, os potenciais incentivadores precisavam recorrer a pareceres emitidos pela Advocacia-Geral da União no Ministério da Cultura, que, embora em princípio sejam públicos, não são acessíveis facilmente. Isso fazia com que houvesse enorme insegurança com relação às contrapartidas permitidas, e diversas contrapartidas consideradas indevidas se tornaram prática usual de mercado.
 
Após a edição da IN 1/2017 ficou claro que contrapartidas como (i) comercialização de produto cultural em condições especiais com relação às condições adotadas para o público em geral, (ii) delimitação de espaço a público específico, como clientes e funcionários do incentivador, (iii) veiculação de imagem institucional ou nome do incentivador de forma distinta da aprovada pelo MinC, (iv) execução de ensaios, apresentações ou visitas destinadas a público específico, (v) fornecimento de produto ou serviço do incentivador ao projeto cultural são consideradas “vantagens financeiras ou materiais” e, portanto, são vedadas. Além disso, em regra não se pode efetuar despesas em favor do patrocinador ou com recepções, festas, coquetéis, serviços de bufê ou similares. Caso o MinC detecte a concessão de alguma contrapartida vedada, determinará que a irregularidade seja revertida em até 20 dias, prazo durante o qual o projeto ficará suspenso.
 
Outra relevante inovação foi a fixação de limites para os valores globais dos projetos culturais, que passou a ter tetos distintos a depender da classificação do proponente. O maior teto é para as EIRELIs, sociedades limitadas e outras pessoas jurídicas (exceto empresário individual), que podem concentrar até R$ 40.000.000,00 de recursos incentivados em seus projetos ativos, sendo o limite por projeto de até R$ 10.000.000,00. Para promover as demais Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o teto dos orçamentos de projetos em tais Regiões pode ser aumentado em até 50%, chegando a até R$ 15.000.000,00. Cada pessoa jurídica pode apresentar até 10 projetos.
 
A IN 1/2017 ainda fixa diversos outros tetos dentro do orçamento dos projetos, como o de até 20% para gastos com divulgação do projeto, 10% para remuneração pela captação de recursos e valores específicos máximos para os cachês dos artistas, modelos e músicos (tetos de R$ 30.000,00 para artista ou modelo solo, R$ 60.000,00 para grupos artísticos e grupos de modelos e, para orquestras, R$ 1.500,00 por músico e R$ 30.000,00 para o maestro). Referidos percentuais podem ser acrescidos de 50%, chegando a 30% e 15% do orçamento, respectivamente, para projetos nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.
 
Também há limitações para o valor médio do ingresso comercializado livremente pelo proponente (sujeito à limitação de até 50% dos ingressos do projeto), que não pode ultrapassar três vezes o valor corrente do Vale-Cultura, que atualmente totaliza R$ 150,00. Frise-se que pelo menos 20% dos ingressos devem ser comercializados por até R$ 50,00 e ao menos 10% devem ser distribuídos gratuitamente à população. Fica mantido o máximo de destinação de 10% dos ingressos para distribuição gratuita pelos patrocinadores, ressaltando-se que isso deve estar previsto no projeto aprovado pelo MinC.
 
Ainda, a fiscalização, que anteriormente acontecia quase que em sua totalidade ao final do projeto pela prestação de contas, passa a ser em tempo real. Cada movimentação na conta do projeto será informada pelo Banco do Brasil ao MinC em até 24 horas e estará disponível no Portal da Transparência para fiscalização por qualquer indivíduo.
 
Ocorrendo irregularidades, além das sanções administrativas e penais previstas na Lei Rouanet, a IN 1/2017 lista as seguintes penalidades: (i) bloqueio da conta do projeto, (ii) impossibilidade de prorrogação do prazo para captação e execução do projeto, (iii) impossibilidade de apresentação de novas propostas e suspensão de publicação de autorização para captação de novos projetos, (iv) inabilitação do proponente por 3 anos e (v) impedimento de apresentação de propostas por 1 ano.
 
Como visto, a IN 1/2017 do MinC trouxe novidades muito importantes na regulamentação dos projetos incentiváveis pela Lei Rouanet e esclareceu diversos pontos, assegurando maior segurança jurídica aos proponentes e incentivadores.

Compartilhar:
Faça parte do nosso mailing Join our mailing list Receba em primeira mão publicações
e comunicados do escritório
Keep current with our
latest news and events

São PauloRua Hungria, 1100. 
01455-906
Tel: +55 (11) 3247-8400
Fax: +55 (11) 3247-8600ver mapasee map

Rio de JaneiroRua Humaitá, 275 - 16º andar. 
22261-005
Tel: +55 (21) 2506-1600
Fax: +55 (21) 2506-1660ver mapasee map

BrasíliaSAFS, Qd. 2, Bloco B
Ed. Via Office 3º andar.
70070-600
Tel: +55 (61) 3312-9400
Fax: +55 (61) 3312-9444ver mapasee map

Palo Alto228 Hamilton Avenue, 3rd floor
CA 94301 USA
Tel: +1 650-798-5068ver mapasee map

Termos de Uso
Política de Privacidade